6 pontos a serem considerados na iluminação para condomínios!



A iluminação é um fator primordial para a segurança nos condomínios. Um dos principais pontos a ser analisados com relação à luminosidade é a funcionalidade dos edifícios. Conhecer o local e fazer um projeto é de extrema importância para que todas as luminárias sejam colocadas nos lugares essenciais, de modo que proporcionem tranquilidade aos moradores e visitantes.

Com um projeto, fica mais fácil definir quais são os lugares que necessitam de visibilidade intensa. Afinal, a iluminação para condomínios, geralmente, apresenta necessidades diferentes para as áreas internas e externas.

Escolhendo as luminárias certas, todos os condôminos sentem conforto e confiança. Entre as opções que têm sido muito utilizadas estão as soluções de LED (Light Emitting Diode).

Deseja saber mais sobre a iluminação para condomínios? Continue sua leitura!

Importância de elaborar um projeto de iluminação para condomínio

Contratar um profissional especializado para elaborar um projeto de iluminação para condomínio é uma excelente alternativa. Afinal, as análises ajudam a especificar quais são as instalações apropriadas para cada um dos ambientes, sejam eles abertos, sejam semiabertos ou fechados.

Cada área possui uma norma vigente para área interna (ABNT NBR 8995-1); para área externa (ABNT NBR 5101) e normas técnicas das Federações Internacionais de Esporte para áreas esportivas.

O estudo minucioso feito por uma dessas pessoas qualificadas considera a presença ou a ausência de vigas de concreto. Isso é muito importante para definir qual será a posição e a altura em que as luminárias devem ser colocadas. Sem contar que o profissional vai considerar as normas técnicas, que trazem orientações quanto à quantidade mínima de luminárias dentro de cada tipo de ambiente.

Pontos que não podem faltar em um projeto de iluminação de condomínios

Listamos, abaixo, alguns pontos que devem ser considerados em um projeto luminotécnico. Veja quais são eles!

1. Considerar áreas internas e externas

Ambientes internos e externos têm necessidades diferentes de iluminação. Enquanto um precisa de luminárias de potências e fluxo luminosos maiores, que lhes tragam maior sensação de segurança, o outro necessita apenas de um nível de iluminação mais brando que ofereça a sensação de calmaria aos moradores.

Ambientes internos

Nos ambientes internos, a proposta é manter luminárias acesas enquanto as pessoas estiverem fazendo determinado trajeto ou atividade. Confira, a seguir, os principais detalhes sobre a iluminação de cada espaço:

  • corredores e entrada: pense em proporcionar a esses ambientes um bom fluxo luminoso, optando por luminárias que proporcionem uma luminosidade mais uniforme e que sejam mais econômicas;
  • espaços de lazer: como são utilizados para ter momentos agradáveis e repletos de alegria, aposte nas luminárias decorativas, pois elas vão deixar os cômodos mais aconchegantes;
  • garagem: opte por luminárias herméticas, possuem ótimo custo benefício

Ambientes externos

Para os ambientes externos, as luminárias de LED são uma ótima opção. Verifique, abaixo, opções para cada local:

  • portão de acesso e garagens: muitos veículos passam por esses locais, por isso, adquira os refletores com sensores. No momento em que não houver mais movimentação, as luzes vão se apagar automaticamente ou diminuir a intensidade luminosa;
  • Arruamentos: Precisam estar de acordo com NBR 5101 provendo o nível de iluminação e uniformidade adequado.

2. Pensar no dia a dia dos moradores

Os condôminos são os que mais utilizam os ambientes e, por isso, pensar neles é crucial. Portanto, mantenha a visibilidade das grandes áreas de forma objetiva.

Conte ainda com a ajuda de um profissional de iluminação para analisar a sombra e o contraste dos ambientes. Dessa forma, tudo vai ficar bem iluminado e, ao mesmo tempo, a beleza do local será mantida.

3. Adaptar a iluminação ao espaço

Escolher as luminárias adequadas para cada um dos ambientes é um ponto que merece destaque. Lugares pequenos necessitam de um tipo de luminária e ambientes maiores precisam de outro. Tudo deve ser avaliado com calma e a frequência de utilização deve ser levada em conta.

4. Considerar um sistema automático na iluminação

Nos sistemas de iluminação, há avanços tecnológicos disponíveis para que a eficiência seja alcançada. Entre eles utilização de relés fotoelétricos para controle individual ou em grupo e também a tecnologia de telegestão, que nada mais é do que uma solução que permite a todos maior controle sobre ativos e mais facilidade nas manutenções. O sistema automático com relés é o mais indicado para condomínios e os benefícios desse sistema provê um excelente custo benefício, como:

  • economia de energia ao utilizar a iluminação quando necessário;
  • acendimento/desligamento automático;
  • baixo custo de aquisição;
  • fácil aplicação;
  • alta disponibilidade no mercado.

Já a telegestão é um sistema que permite controlar remotamente as luminárias e faz medições que podem ser armazenadas por um software hospedado na internet. Todos os dispositivos instalados são conectados uns com os outros por meio de uma rede mesh não necessitando de cabeamento para esse modelo de gerenciamento.

5. Definir periodicidade de manutenções

As manutenções de todos os dispositivos devem ser realizadas periodicamente. Monte um cronograma no qual fique estipulado o período no qual a empresa especializada vai fazer a troca das luminárias queimadas ou daquelas que estiverem com problema. As manutenções podem ser:

  • semanalmente;
  • mensalmente;
  • quando houver alguma necessidade urgente.

Seguindo esse conselho, a iluminação do seu condomínio vai funcionar perfeitamente, evitando problemas e desgastes com os moradores. Os fornecedores sabem dizer com exatidão qual é o período mais apropriado para a manutenção, de acordo com cada caso.

6. Contar com bons fornecedores

Certifique-se de que os fornecedores tenham itens de qualidade e experiência nesse segmento. Para isso, avalie algumas questões antes de fechar a compra. São elas:

  • faça no mínimo 3 orçamentos com fabricantes de luminárias;
  • verifique o nível de satisfação de outros clientes atendidos por esta empresa de iluminação;
  • confira se os produtos para iluminação de arruamento são certificados de acordo com a Portaria 20 do Inmetro.

Já para contratar profissionais técnicos para elaborar o projeto de iluminação, você deve confirmar se eles realmente são capacitados e habilitados para o desempenho das atividades. Além disso, observe os pontos abaixo antes de fechar o contrato:

  • apresentação adequada da empresa no condomínio;
  • agilidade e rapidez com que disponibilizam informações e elaboram o orçamento;
  • regularização da documentação;
  • prazo de entrega do projeto;
  • condições de pagamento;
  • funcionamento do suporte no pós-venda.

O profissional que estiver à frente do projeto deve ser exigente, proativo, responsável, empático, dedicado, atencioso e muito cordial, tendo em vista que vai ser cobrado pelos condôminos. Ele pode ter que responder por eventuais problemas, e precisa ter uma postura apropriada.

Agora, você já sabe quase tudo sobre iluminação para condomínios, não é mesmo? Não deixe de colocar em prática todas as nossas dicas e observar os pontos mencionados neste artigo. Dessa maneira, a satisfação dos moradores vai ser garantida e você vai evitar o enfrentamento de dificuldades devido à falta de segurança ocasionada pela falta de luminosidade no seu edifício.

Gostou das nossas dicas sobre a iluminação para condomínios? Siga-nos no Facebook, no Instagram, no YouTube e no LinkedIn e acompanhe todas as nossas postagens sobre conteúdos relevantes!