CAPEX e OPEX: entenda essas siglas!



No ambiente corporativo, é muito comum ouvir as siglas CAPEX e OPEX. Apesar de algumas pessoas saberem o que significam esses termos, poucos são os profissionais que compreendem seu conceito e aplicam esse conhecimento.

Essas siglas indicam maneiras diferentes de adquirir ou contratar produtos e serviços, enquadrando-se em categorias de despesas empresariais. É de vital importância realizar o monitoramento dos gastos da empresa para que os custos corporativos estejam em dia.

No entanto, é importante ir além da sua compreensão, assimilando suas diferenças e sua importância para o mundo dos negócios. Pensando nisso, desenvolvemos este artigo para expor o que são esses conceitos e como interferem na gestão financeira de um negócio. Acompanhe!

O que são CAPEX e OPEX?

Apesar de a explicação sobre esses termos ser simples, é importante distinguir os conceitos para que não haja dúvidas quanto à sua aplicabilidade.

A sigla CAPEX significa capital expenditure, ou despesas de capital, representando despesas ou investimentos em bens como:

  • equipamentos;
  • materiais de construção;
  • hardware;
  • serviços usados na produção de outros elementos.

Sobretudo, auxiliam a empresa a gerar lucro através de fundos para ampliação da sua capacidade.

A aquisição de um item ou serviço interfere na produtividade de um equipamento ou setor, aumentando seu desempenho. Para os casos em que o bem tem uma vida útil maior que o ano fiscal, essas despesas devem ser contabilizadas por amortização, quando por propriedades intelectuais, ou depreciação, para bens tangíveis.

Um exemplo aplicável são as luminárias de LED, que devem levar em conta não só o investimento inicial, mas também o consumo futuro de energia ao longo de sua vida útil. Luminárias eficientes, apesar dos valores mais elevados, garantem excelente custo-benefício.

Já OPEX, ou operational expenditure, são despesas operacionais relativas à logística empresarial e à venda de produtos e serviços. Como exemplo, uma empresa que adquiriria um computador altera para um serviço que fornece o equipamento necessário e já faz acompanhamento, capacitação e atualização do sistema.

De maneira geral, compara-se a um aluguel de bens ou prestação de serviços, cujos gastos associam-se à manutenção, combustível ou outras despesas operacionais. Ou seja, o desembolso é feito periodicamente e abrange serviços de terceiros.

É importante realizar um gerenciamento ativo dos gastos, reduzindo-os sem prejuízos na produção e na qualidade. Além disso, as despesas OPEX são dedutíveis de impostos quando no mesmo ano de sua realização. Os principais desembolsos para essa categoria são as manutenções e reparos, publicidade, taxas de licença e administrativas, despesas de escritórios, seguro, honorários de advogados etc.

Como calcular os índices CAPEX e OPEX?

As regras para contabilização do capital e do operational expenditure variam; portanto, é fundamental ter atenção ao cálculo desses índices.

No CAPEX, deve-se inicialmente analisar as alterações anuais nos ativos. Se a sua empresa, ao fazer o balanço patrimonial, identificou um milhão em ativos no ano de 2015 e dois milhões no ano seguinte, a diferença foi de um milhão.

Da mesma forma como nos ativos, os passivos também devem ser analisados. Se eles apresentaram um aumento de R$ 500 mil no ano de 2015 para um milhão no ano de 2016, a alteração foi de R$ 500 mil.

Para chegar ao capital expenditure, basta subtrair a mudança ano a ano, ou seja, o CAPEX é o resultado da diferença entre a variação dos ativos e a dos passivos. Apesar da simplicidade, sua determinação é importante, pois relaciona um custo de investimento que amplia a viabilidade da empresa de gerar lucro.

Já o índice OPEX compreende a soma de todas as despesas operacionais dentro de um período determinado, geralmente um ano. Contabilizar essas despesas permite à organização reduzir custos e aumentar a produtividade.

É comum que as empresas tenham que calcular a diferença entre esses dois índices. Quando isso for necessário, vale ficar atento ao erro mais comum nesse tipo de situação: comparar o valor do equipamento com a quantia mensal desembolsada pelo serviço contratado.

O que acontece é que esses cálculos não abrangem os custos indiretos, que interferem significativamente na operação. Ou seja, investir um alto valor inicial com um equipamento objetivando o crescimento a médio prazo pode não ser uma escolha de sucesso, pois a receita apenas surgirá depois dessa despesa, obrigando a empresa a lidar com o fluxo de caixa.

Nessas situações, o desenvolvimento é feito com base em uma perspectiva de crescimento em função da capacidade ociosa até atingir o fluxo que se espera. Muitas vezes, o retorno é de longo prazo e é necessário realizar uma estimativa.

Qual a diferença na prática?

Ao longo deste artigo, desenvolvemos o conceito de CAPEX e OPEX e suas principais diferenças. Contudo, aplicar esse conteúdo pode parecer um pouco confuso na prática. Sendo assim, pense no seguinte exemplo: sua organização tem um projeto bem estruturado e planejado, com boas expectativas de retorno e duração de 12 meses.

Na execução, o maior custo ficará por conta da mão de obra e da manutenção das máquinas, constituindo-se em despesas operacionais. Entretanto, foi preciso adquirir um espaço para os novos colaboradores contratados e equipamentos para eles operarem, gerando despesas de capital com custos fixos.

Apesar de as despesas de capital serem estáveis, as OPEX são mutáveis, pois não é possível estimar quando será necessário reparar algum equipamento ou sala que foi adquirido. Portanto, as despesas operacionais são inconsistentes e devem ser continuamente geridas.

O índice OPEX pode trazer economia para a organização, pois é possível obter dedução tributária dos gastos. Em vez de adquirir equipamentos, como computadores, a um custo de R$ 45 mil, é possível contratar um serviço terceirizado que forneça os equipamentos a um valor reduzido e contemplando manutenção.

Assim, esse valor entra no balanço empresarial como despesa e não como custo, reduzindo o total de impostos a partir da dedução da apuração do lucro real, mantendo a saúde financeira da companhia.

Nessa modalidade, também é possível adquirir luminárias de LED a partir de empresas especializadas que forneçam também os equipamentos e a instalação. Os custos são amortizados mensalmente de acordo com as especificações em contrato.

Já no CAPEX, investe-se nas operações empresariais. A depreciação se dá a partir da previsão da duração e os recursos são mais consideráveis, podendo descapitalizar parcialmente a empresa, comprometendo outros desembolsos.

No entanto, a vantagem desse investimento está na aquisição ou melhoramento de ativos imobilizados, sobretudo aqueles necessários ao funcionamento de uma indústria, como equipamentos, imóveis ou luminárias de LED, cuja vida útil extrapole o exercício do período de amortização do investimento.

E depois, o valor real do patrimônio do negócio é dado pelos ativos imobilizados, sendo o CAPEX o responsável por aumentar o valor ativo, fazendo com que a empresa passe a valer mais.

 

[rock-convert-cta id=”7345″]

 

Qual metodologia você deve escolher?

Talvez seja o cerne da questão: requer uma análise da situação atual da empresa e das características específicas do projeto. Basicamente, é importante ficar atento a alguns pontos indispensáveis. O primeiro é em relação à análise de viabilidade do projeto, definindo se é possível ou não executá-lo com investimento imobilizado, de acordo com a capacidade empresarial. Assim, investiga-se se é viável usar serviços de terceiros ou se os investimentos são obrigatórios.

Outro ponto é a projeção de custos, despesas e receitas com o projeto, incluindo gastos de fabricação, aquisição ou fornecimento de serviços, impostos e despesas operacionais. O objetivo é confrontar esses itens e analisar se é viável a geração de lucro.

Por fim, vale a pena realizar uma estimativa com relação à durabilidade do investimento realizado, afrontando as metas organizacionais da empresa. Isso porque a receita pode vir muitos depois da despesa, devendo-se ter certo cuidado com o fluxo de caixa.

Todas as alternativas oferecem vantagens e desvantagens. Por um lado, o CAPEX proporciona a aplicação total do dinheiro nas operações empresariais, o que eleva o valor de mercado. Por outro, no índice OPEX, inexiste investimento inicial, mas os desembolsos são constantes.

Acima de tudo, entender os conceitos e as diferenças entre os índices CAPEX e OPEX traz clareza quanto às resoluções e abre possibilidades de investimentos da empresa. O mais importante é analisar, no seu negócio, quais vantagens e despesas têm maior impacto. Dessa forma, sua decisão será a melhor possível!

Gostou do nosso artigo sobre CAPEX e OPEX? Fique por dentro das atualizações do nosso blog e assine a nossa newsletter para tê-las diretamente na sua caixa de entrada!