Saiba tudo sobre iluminação. Assine nossa newsletter!

Como a temperatura de junção afeta na compra da luminária ideal? Saiba mais

Para garantir um projeto luminotécnico eficiente em um espaço, é preciso ter cuidado a todos os detalhes. A temperatura de junção, por exemplo, pode afetar a eficácia do fluxo luminoso do LED e, consequentemente, na distribuição de luz da fábrica. Dessa forma, no momento de procurar uma luminária industrial não basta conhecer a potência ou a capacidade do fluxo, é preciso verificar também as especificações técnicas dessa junção.

Uma luminária LED ideal é aquela que consegue garantir a quantidade de luz necessária para o espaço estabelecido. Isso varia conforme a posição, a estrutura do local, o tamanho, a disposição elétrica ou o modelo de atividade exercida no ambiente. Um galpão fechado, por exemplo, precisa contar com luminárias com maior fluxo luminoso se comparado aos ambientes que permitem entrada da luz natural.

Não ter cuidado com a temperatura de junção da luminária pode trazer malefícios para a empresa, afetando na qualidade de vida dos funcionários e também na produção final da planta. Se você quer conhecer um pouco mais sobre essa especificidade e descobrir como escolher a luminária industrial ideal, continue a leitura!

A temperatura de junção de LED

É bom frisarmos que não é a temperatura de junção que determinará a luminária, na verdade, é justamente o contrário. A luminária industrial precisa ser desenvolvida para garantir que o LED opere com uma temperatura específica. Todo o projeto técnico, que envolve a estrutura dessa peça vai indicar a capacidade de operação do LED.

Para a luminária industrial, o LED é composto por um diodo formado por uma junção P-N. A diferença desse modelo para os utilizados em circuitos elétricos analógicos é a recombinação elétron-lacuna, capaz de gerar uma partícula chamada fóton — partícula fundamental da luz.

Quanto mais a junção é aquecida, mais prejudicada fica a taxa de recombinação. Isso afeta diretamente a capacidade de geração do fluxo luminoso, diminuindo sua geração. Por isso, a luminária é fundamental para evitar o sobreaquecimento e manter a capacidade do LED.

Se o sistema da luminária não garantir que o LED esteja operando dentro da sua faixa ideal de temperatura de junção, naturalmente haverá uma perda de desempenho da luminária, afetando diretamente o fluxo luminoso. Se essa temperatura atingir pontos extremos, pode afetar significativamente a vida útil do LED.

A temperatura de junção P-N influência no envelhecimento do LED. Quanto maior a temperatura, mais rapidamente será a porcentagem de perda de potência. Dessa forma, a especificação de vida útil estipulada pelo fabricante do LED apenas será verdadeira se a junção P-N não for submetida a uma temperatura que exceda a sua capacidade.

Vale ressaltar que os valores estipulados para a vida útil de um LED é estabelecido após uma série de baterias e testes realizados pelos fabricantes. Nem sempre a especificação em relação ao brilho do LED é realista, pois as condições de operação do LED variam conforme os cenários aos quais a luminária é instalada.

O grande desafio para um projeto da luminária está exatamente na transferência térmica. Ela precisa ser dimensionada de modo a igualar a carga de energia aplicada, pois só assim será possível garantir que o comportamento da luminária estará próximo ao desejado e estipulado.

Alguns fatores influenciam essa transferência térmica, como o material da composição da luminária e o design (desenho geométrico). Assim, a intenção do projeto é que o calor gerado se dissipe da junção P-N para o corpo da luminária.

Outros aspectos que influenciam na qualidade e temperatura da junção P-N são:

  • potência de operação do LED;
  • temperatura do ambiente no qual a luminária será instalada.

Cada LED tem uma arquitetura de construção diferente. O produtor de LED deve disponibilizar ao fabricante das luminárias, as informações e metodologias de testes necessárias para serem feitas avaliações de temperatura de junção.

Essa temperatura de junção não pode ser medida, mas sim calculada a partir da tomada de medida de temperatura em regiões específicas do LED.

A vida útil do LED

Ao passar pelo LED, além de luz, a corrente elétrica gera calor. É essa temperatura que afeta a junção P-N e prejudica o fluxo luminoso. Quando a potência cai de 100% para 70%, significa que a queda na intensidade de luz entregue pelo LED, começa a ser perceptível ao olho humano. Por isso, é convencionado que essa redução é um indicativo para a troca do material.

Na literatura técnica, esse conceito é conhecido como L70, sendo o “L” uma referência à palavra “lúmens”, que é a medida de fluxo luminoso. Por exemplo, um LED de 1 W, submetido a uma temperatura de 70º C, pode ter um tempo de vida útil (L70) de 60.000 horas, variando de acordo com o fabricante.

A luminária industrial

Ao comprar uma luminária industrial, a empresa deve observar qual é a eficácia indicada. Comparar esses dados com a temperatura especificada pela luminária é fundamental para saber se o projeto luminotécnico estabelecido para a planta é coerente com aquele material.

Uma prática muito comum no mercado é especificar os valores de eficácia da luminária com base em temperaturas de operação muito baixas. Isso, necessariamente, levará a uma perda de desempenho quando a luminária for trabalhar em temperaturas mais altas do que as estabelecidas pelos fabricantes.

Portanto, quanto maior for a temperatura máxima para luminária especificada pelo fornecedor, maior será a chance de garantir a eficácia desse material.

A qualidade dos materiais empregados na construção do LED são determinantes para um bom desempenho técnico. É sempre importante que, ao adquirir uma luminária, a empresa conheça a reputação e a tradição do fabricante do LED utilizado.

Afinal, a construção do LED deve ser feita com os melhores materiais disponíveis. Caso não haja a confecção desse produto com eficiência energética, a junção P-N pode ficar fragilizada, e a especificação sobre a capacidade de temperatura máxima pode ser incoerente com a operação prática.

Além do LED, é preciso também conhecer a reputação da empresa que confecciona a luminária. Lembrando que o projeto desse tipo de produto precisa considerar toda a dissipação do calor gerado internamente pela corrente elétrica.

Contar com um fornecedor de luminária industrial de qualidade é, portanto, uma maneira de garantir o tempo de vida útil do LED e certificar que não será necessário gastos frequentes com manutenção. Um LED com fluxo luminoso reduzido pode prejudicar na atividade da planta e, consequentemente, a produção.

Para evitar prejuízos a melhor maneira é contar com um fornecedor de qualidade. Entre em contato com a SX Lighting e conheça os produtos e serviços!

SX Lighting

| |

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

  • Rua José Ayrton Machado, 150
    Feital - Pindamonhangaba, SP
    CEP 12441-265

  • (12) 3641-6522